Chapada do Araripe: trilhando os rumos do bem estar

  • Postado em 22 de agosto de 2019
Foto: Paulo Anaximandro

Por Cleiviane Vasconcelos

A caminhada é uma das atividades físicas mais recomendadas, por exigir pouca preparação física e melhorar significativamente a qualidade de vida. E se isso acontecer em meio à natureza, na beleza de uma mata milenar que possui área de grande biodiversidade, relevância histórica, cultural, geológica e paleontológica? Foi esta a programação na manhã do domingo, 18 de agosto, de um grupo de 12 integrantes que se reuniram em frente ao Clube Recreativo Grangeiro, na cidade do Crato, para dar início a mais uma trilha do projeto Trilhas UFCA, vinculado à Pró-reitoria de Cultura da Universidade Federal do Cariri.

O grupo, liderados pelos irmãos Vitor Jaques e Richelieu Júnior, responsáveis pelo projeto, subiu a Pedra do Granjeiro, uma trilha considerada entre moderada e difícil. O percurso está dentro da Área de Proteção Ambiental – APA da Chapada do Araripe, a maior reserva ecológica no sul do Ceará. A região é parte do Geoparque Araripe que integra o Programa Internacional de Geociência e Geoparques da Unesco.

O Trilhas UFCA é idealizado por estudantes do curso de medicina da UFCA. Por ser um curso de período integral, os estudantes ficam restritos a maior parte do tempo às exigências acadêmicas, e têm pouco tempo para interação e momentos de lazer. Essa foi a questão que os rapazes identificaram e assim justificaram a criação deste projeto, que tem como um dos objetivos a melhoria da qualidade de vida dos estudantes, por meio do respeito e contato com a natureza. O percurso planejado leva em consideração a condição física dos participantes, o tamanho do grupo e o grau de dificuldade. “A gente escolhe a trilha a partir do que já conhece, se eu ainda não conhecer eu faço antes para depois levar o pessoal, sempre baseado nos níveis, a gente começou com as mais fáceis pra chegar nas mais difíceis”, revela Vitor Jaques.

A primeira trilha foi a do sítio Fundão, em Crato, seguida da Trilha do Riacho do Meio, em Barbalha, consideradas as mais fáceis e, por isso, indicadas para iniciantes. Segundo Jaques, o projeto busca contribuir com o bem estar físico e emocional dos estudantes que, muitas vezes, sofrem de ansiedade resultante das pressões acadêmicas e que podem ser agravadas pela distância de casa e da família.

Em todos os cursos da UFCA há estudantes que vêm de outras regiões e passam muito tempo longe de seus familiares. É o caso da cabo-verdense Mirna Évora, estudante de Medicina que já está no Cariri há três anos e meio.

Foto: Paulo Anaximandro

Foto: Paulo Anaximandro

Para Mirna, que já está na sua quarta trilha – e que se considera tímida – diz que momentos como esse são bons para interagir com outras pessoas e fazer novos amigos, já que a rotina acadêmica é estressante e limita os momentos de lazer, sobrando pouco tempo para qualquer coisa que não seja relacionada aos estudos. “Então as trilhas me ajudam nesse quesito, de relaxar mesmo, de sair da rotina, desestressar e conhecer outras pessoas” comenta Mirna Évora.

Foto: Paulo Anaximandro

Foto: Paulo Anaximandro

Cada trilha é feita duas vezes, o que favorece a rotatividade dos participantes e ampliação dos vínculos. Mas não são apenas os estudantes que aderiram à ideia do passeio dominical pela manhã. Já participaram servidores da UFCA e pessoas que não têm nenhuma relação com a Universidade, mas que tomaram conhecimento do projeto, como é o caso da bióloga Camila Lopes: “Gostei muito da trilha, fazia tempo que eu queria fazer uma trilha na região. Gosto muito de estar nesses ambientes e eu acho importante esse tipo de projeto, enfim… acho que é qualidade de vida”.

Do ponto de vista educacional, segundo Jaques, o principal aspecto do projeto é o respeito à natureza e a preservação ambiental. Apesar do aspecto social ser muito forte nesse tipo de atividade, é o aspecto ambiental que é considerado o mais importante. As trilhas coordenadas pelo projeto tem um limite máximo 15 pessoas, por vez, para evitar qualquer tipo de agressão ao meio ambiente. “A gente procura não levar um grupo grande, para não agredir a natureza. Sempre fala para não descartarem nada no meio ambiente. Até agora não recordo de ninguém ter feito isso”, reforça Vitor Jaques.

Local de encontro
Ao chegar ao topo da trilha, outro grupo já estava contemplando a vista do alto da pedra. Josué Gomes, educador físico e condutor do grupo que já estava no local, ressaltou que a caminhada na trilha oferece muitos benefícios para a saúde física. Além de queimar a gordura corporal, favorece o ganho de massa muscular, melhora a auto estima e gera a sensação de felicidade. “O acesso é um pouco difícil, mas quando chega no final é uma alegria, aquele prazer de dizer: Nossa, eu consegui! Eu venci, superei meus limites. Quando você enfrenta o seu medo, enfrenta o perigo, você vê que a sua vida é maravilhosa, ela é leve”, afirma Josué Gomes.

Josué deu dicas para melhorar resistência e orientações para garantir a segurança dos trilheiros. É importante uma alimentação leve e uma boa hidratação. Ficar atento onde coloca a mão e onde pisar durante todo o percurso. Sempre observar bem antes de tocar em qualquer coisa  e antes de continuar um trajeto, verifique se tem condição de continuar; se não, descansar um pouco e depois seguir.

As  chapadas são terrenos de extensas áreas de superfícies planas em regiões de serra. No Brasil temos cinco regiões classificadas como chapada: das Mesas, no Maranhão, Diamantina na Bahia, dos Veadeiros em Goiás, dos Guimarães no Mato Grosso do Sul e a do Araripe, que divide os estados do Ceará, Pernambuco e Piauí.

IMG_20180703_152928126

 

 

As trilhas acontecem sempre aos finais de semana

Maiores informações podem ser adquiridas pelo Instagram no endereço: @trilhasufca ( https://www.instagram.com/trilhasufca ) e pelo whats app (88) 997383731/(88) 996192972.

 

 

NotaNoticiaNoCampus

css.php