Barbalha lidera índice de educação básica no Crajubar

  • Postado em 21 de maio de 2019
Sala de aula

Por Guilherme Candido, Francisco Matheus, Júlia Marques e Beatriz Beltrão

Os cidadãos podem participar da criação e avaliação de políticas educacionais ao propor medidas ou apresentar necessidades. Outra maneira de exercer essa participação é através do acesso a informações e dados sobre a qualidade de ensino, como o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). A seguir, você conhece um pouco mais sobre o indicador e os resultados obtidos nos municípios de Barbalha, Crato e Juazeiro do Norte nos últimos anos.

O QUE É O IDEB

O Ideb é utilizado para avaliar o ensino fundamental e médio no país e com isso mensurar o desempenho do sistema educacional brasileiro. Ele combina dois conceitos relacionados com a qualidade do ensino: o desempenho dos estudantes em exames e a taxa de aprovação nas escolas. O estudo é uma iniciativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (Inep), criado em 2007 e realizado a cada dois anos. Além de medir como está o desempenho dos sistemas de ensino no país, o Ideb serve para criar metas com o objetivo de melhorar a qualidade desses sistemas.

COMO É CALCULADO

Para entender como o Ideb é calculado é preciso compreender as duas dimensões que o compõem:

Aprendizado:

São as médias de desempenho nas avaliações do Inep: Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) – para as unidades da federação e para o país –, e a Prova Brasil – para os municípios. Esta última avalia a competência dos estudantes nas disciplinas de Matemática e Língua Portuguesa, com base nas respectivas etapas de ensino.

Fluxo escolar:

Obtido por meio do Censo Escolar, mede a aprovação dos alunos. Ou seja, são analisados quantos alunos foram aprovados, reprovados ou abandonam a escola naquele ano.
Veja como a fórmula funciona, utilizando os dados de desempenho nos anos finais do ensino fundamental da rede pública no Brasil, em 2017:

Esquema de representação do cálculo do Ideb (aprendizado X fluxo = idem)

 

Anos Iniciais

O Ideb de cada município é disponibilizado na plataforma do Inep, dentre outras formas, em planilhas divididas entre Ensino Fundamental Regular (Anos iniciais e Anos Finais) e Ensino Médio, contendo dados como taxa de aprovação, notas da Prova Brasil, indicador de rendimento e projeções e metas para os anos seguintes.

Os Anos Iniciais do Ensino Fundamental Regular englobam do 1° ao 5° ano do ensino básico, com informações obtidas entre 2005 e 2017.  A análise do Ideb para as instituições da rede pública, apontam Barbalha com a maior média da região do Crajubar, chegando a 4,7, enquanto as cidades de Juazeiro do Norte e Crato seguem empatadas com 4,2, muito embora apresentem trajetórias distintas em seus índices e projeções.

Os municípios de Barbalha e Juazeiro dividem o protagonismo na Nota Média Padronizada obtida através dos resultados das provas de português e matemática. Barbalha se destaca em cinco dos sete anos de coleta, enquanto Juazeiro do Norte lidera em dois.

Quando analisada a média de crescimento ao longo dos anos o cenário é bem similar. A cidade de Barbalha apresenta o maior crescimento médio por ano: 0,53 de evolução, porém, mesmo sem nenhum aumento se manteria acima das projeções para 2019. O mesmo ocorre com a educação no município do Crato que apresenta uma expansão média de 0,4, mas já ultrapassou a meta. Já em Juazeiro do Norte o quadro muda: com uma evolução de 0,28 a expectativa aponta para um índice abaixo da projeção.

Veja o desempenho de cada município nos anos iniciais do Ensino Fundamental

 

Anos Finais

Os anos finais englobam do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental. A análise do Ideb para as instituições da rede pública, com informações agrupadas entre 2005 e 2017, apontam Barbalha novamente com a maior média da região do Crajubar, alcançando 5,3. Diferente dos anos iniciais, Juazeiro está em segundo lugar com 4,5 e Crato em terceiro com 4,2, mostrando uma estabilidade comparada aos anos iniciais.

Barbalha é o primeiro na Nota Média Padronizada a partir dos resultados das provas de português e matemática. Destaca-se com as maiores notas  entre as três cidades, nos últimos quatro anos. Juazeiro e Crato mantêm números muito próximos entre si.

Quando analisada a média de crescimento ao longo dos anos, o cenário é bem similar. A cidade de Barbalha apresenta o maior desenvolvimento, com 3,83 de evolução, porém, mesmo sem nenhum aumento, manteria-se acima das projeções para 2019. O mesmo ocorre com a educação no município do Crato, que apresenta uma expansão de 2,0, e ainda assim ultrapassou a meta. Já em Juazeiro do Norte, o quadro muda, com uma evolução de 2,16 apontando para um índice abaixo do previsto.

Ideb Brasil e Nordeste

A média geral brasileira dos anos iniciais é de 4,6. Durante os 7 anos avaliados  – 2005 a 2017 – os índices escolares sempre estiveram à frente das projeções feitas para cada período. Já nos anos finais a situação muda de panorama. A média geral é de 3,8 e, durante os períodos de 2013, 2015 e 2017, os índices registrados não foram atingidos. Porém, sem atingir as projeções ainda existiu um crescimento significativo.

No Nordeste os anos iniciais, desde o primeiro registro, mantiveram as notas acima das projeções para cada ano. Em 2017, a região atingiu 4,9 – nos anos iniciais – número esperado apenas para ser atingido em 2021. Entretanto, nos anos finais é possível notar uma queda de rendimento. A média geral dos anos finais cai para 3,3 e, durante os anos de 2015 e 2017, as projeções não foram atingidas.

Dentro desse cenário o Nordeste trilha o mesmo caminho que o Brasil no Ideb. Nos anos iniciais o índice de crescimento é de 0,36% para o Nordeste e 0,31% para o Brasil. Já nos anos finais o dois demonstram baixo crescimento: o Brasil cresce 0,20%  e o Nordeste 0,21%. Caso esse crescimento continue baixo, o Brasil e o Nordeste não atingiram a meta de 6,0 no ano de 2022.

NotaDigitalII

 

css.php